This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

This Is A Custom Widget

This Sliding Bar can be switched on or off in theme options, and can take any widget you throw at it or even fill it with your custom HTML Code. Its perfect for grabbing the attention of your viewers. Choose between 1, 2, 3 or 4 columns, set the background color, widget divider color, activate transparency, a top border or fully disable it on desktop and mobile.

O que são doenças auto-imunes

Home/Informação ao Doente/O que são doenças auto-imunes

O que são doenças auto-imunes

O QUE SÃO DOENÇAS AUTO-IMUNES?

As doenças auto-imunes (DAI) são um grupo de mais de 100 doenças relacionadas entre si, que envolvem qualquer órgão ou sistema do nosso organismo. Inclui doenças que atingem simultaneamente ou sequencialmente esses orgãos ou sistemas e outras dirigidas especificamente contra alguns deles, como sejam o sistema nervoso, os aparelhos digestivo e respiratório, pele, sangue, olhos, articulações e glândulas endócrinas, entre outros exemplos. O problema é o mesmo em todas as doenças auto-imunes : o sistema imunitário fica desorientado, atacando o próprio corpo e os órgãos que deveria proteger.

No seu conjunto, as DAI atingem três vezes mais mulheres  que homens, podendo, em alguns casos, esta proporção ser mais elevada, como é o caso do lúpus em que as mulheres são afectadas nove vezes mais. As doenças auto-imunes são uma das 10 principais causas de morte nas mulheres com menos de 65 anos.

Os sintomas são variáveis de uma doença para outra e até dentro da mesma doença. Como são doenças que afectam vários órgãos, podem ter sintomas enganadores, o que dificulta o diagnóstico.

A mesma doença pode ter sintomas muito diferentes em várias pessoas e em várias idades.

As doenças auto-imunes são das doenças mais difíceis de reconhecer e de diagnosticar. Cada doença pode ter uma gravidade ligeira ou ser muito grave. Para que os doentes possam viver melhor e mais tempo é necessário um diagnóstico mais rápido para que o tratamento possa ser iniciado precocemente.

 

O QUE PROVOCA AS DOENÇAS AUTOIMUNES?

Os cientistas não compreendem ainda totalmente o sistema imunitário e o que leva o nosso organismo a produzir um ataque contra si próprio.

Normalmente o sistema imunitário protege o nosso corpo dos microorganismos externos. Fá-lo produzindo anticorpos que são proteínas especiais que reconhecem e destroem os invasores.

As doenças auto-imunes ocorrem quando estes anticorpos atacam as células do próprio organismo, tecidos e órgãos. Sabemos que há alguns factores desencadeantes que podem ter importância no desenvolvimento de uma doença auto-imune: as bactérias, os vírus, as toxinas, as hormonas, o stress e alguns fármacos podem desencadear uma resposta auto-imune nalgumas pessoas que tenham uma predisposição hereditária (genética) para desenvolver uma DAI.

 

QUE TIPOS DE DOENÇAS AUTO-IMUNES EXISTEM?

Os processos auto-imunes podem afectar o organismo de diversas maneiras. A autoimunidade pode resultar na destruição lenta de tipos específicos de células, tecidos, órgãos ou articulações, na estimulação do crescimento de um órgão ou interferir na sua função. Os órgãos e tecidos frequentemente afectados incluem as glândulas endócrinas (tais como a tiróide, pâncreas e supra-renais), componentes do sangue (como os glóbulos vermelhos ou as plaquetas) e o tecido conjuntivo: pele, músculo e articulações.

As doenças auto-imunes são frequentemente classificadas como específicas de órgão e como não específicas de órgão.

Nas doenças auto-imunes específicas de órgão, o processo autoimune é dirigido contra um único órgão. São exemplos a tiroidite de Hashimoto (glândula tiróide), a anemia perniciosa (estômago), a doença de Addison (glândulas supra-renais) e a diabetes tipo 1 (pâncreas).

Nas doenças auto-imunes não específicas de órgão (ou sistémicas), a autoimunidade provoca lesões em vários órgãos ou tecidos.. São exemplos desta doenças sistémicas o Lúpus Eritematoso Sistémico (LES), a Artrite Reumatóide (AR) e o Sindroma de Sjögren (SS).

 

QUANDO PENSAR NUMA DOENÇA AUTO-IMUNE? 

As Doenças Auto-imunes podem afectar qualquer órgão ou tecido do organismo, podem provocar qualquer sintoma e podem ser confundidas com qualquer outra doença: essa é uma das dificuldades que as doenças auto-imunes apresentam.

Uma doença auto-imune pode-se apresentar como uma febre prolongada (mais de 3 semanas), que não cede a antipiréticos ou antibióticos, por dores nas articulações com edema (inchaço) das articulações, por manchas vermelhas na face que aumentam com o sol, aftas que não passam, abortos espontâneos e de repetição, por uma pericardite ou pleurite, uma psicose, anemia, diminuição das plaquetas, olhos e boca seca, mãos que ficam brancas com o frio, diminuição da força ou sensilidade nas extremidades, insuficiência renal, mãos suadas e tremor, etc.. Estes sintomas e sinais podem apresentar-se duma forma lenta que leva o doente à consulta ou de uma forma aguda, que necessita de uma abordagem numa urgência.

Quando se está perante um quadro em que vários órgãos parecem estar doentes ao mesmo tempo, devemos suspeitar que se trata de uma Doença Auto-imune.

 

COMO SE FAZ O DIAGNÓSTICO? 

Como se trata de doenças que podem ser confundidas com qualquer outra doença, é muitas vezes difícil chegar a um diagnóstico só com um exame. A grande arma para orientar os exames é a história clínica (escutar as queixas dos doentes) e perante os antecedentes do doente e da família escolher cuidadosamente os exames a realizar. A atitude de realizar rapidamente todos os exames não produz um diagnóstico mais rápido, pelo contrário. Deve ser o seu médico assistente a orientar a realização desses exames.

 

QUE TRATAMENTOS HÁ PARA AS DOENÇAS AUTO-IMUNES?

Corrigir as deficiências geradas no organismo é muito importante no tratamento das doenças auto-imunes. É o que fazemos ao tratar as tiroidites com suplementos de hormona tiroideia ou a diabetes tipo 1 com insulina. Nas doenças auto-imunes do sangue podem ser necessárias transfusões.

É igualmente importante reduzir a inflamação. Algumas doenças auto-imunes ligeiras podem ser tratadas com anti-inflamatórios não esteróides (AINE) para alívio de sintomas. Alguns AINE mais recentes, os coxibes (celecoxibe, etoricoxibe) inibem um enzima do organismo que provoca dor e inchaço e podem ser úteis em doenças mais graves.

Muitas vezes há que controlar a resposta imunológica excessiva. Os fármacos mais frequentemente usados são os corticosteróides. Algumas doenças podem ser tratadas com imunossupressores, fármacos que actuam sobre o sistema imune. Estes fármacos devem ser utilizados com precaução porque podem ter efeitos secundários, incluindo maior susceptibilidade a infecções, hipertensão arterial, cataratas, alterações do sono e osteoporose. Pode ser difícil controlar a doença e preservar a capacidade do organismo para resistir à doença.

As imunoglobulinas endovenosas (IVIG) são utilizadas no tratamento de várias doenças auto-imunes para reduzir a circulação de imunocomplexos, que são proteínas produzidas nestas doenças e que podem lesar alguns órgãos vitais como o rim ou o cérebro.

Alguns fármacos, chamados modificadores da doença, são utilizados em primeira linha na Artrite Reumatóide porque alteram a evolução da doença, além de aliviarem os sintomas, sendo o mais utilizado o metotrexato. Há uma nova classe de fármacos, chamados biológicos, que são baseados em componentes extraídos de células vivas e têm como alvo as células do sistema imunitário envolvidas nas doenças autoimunes. Os medicamentos biológicos são produzidos por biotecnologia em laboratórios especializados e têm demonstrado efeitos muito benéficos em alguns doentes com algumas destas doenças.

Todos os tratamentos devem ser discutidos individualmente com o seu médico assistente.

 

AS DOENÇAS AUTO-IMUNES PODEM SER HEREDITÁRIAS?

Cerca de 20% da população tem algum factor hereditário que aumenta a hipótese de ter uma doença auto-imune. No entanto, o facto de haver algum familiar directo com uma destas doenças não quer dizer que vá desenvolver a doença, mas apenas que pode ter um risco acrescido de a ter, como acontece de resto em relação a muitas outras doenças.

Quando se desenvolve uma doença auto-imune, a probabilidade de desenvolver outra está aumentada, todavia, a predisposição genética não é uma causa só por si. Parece que devem existir outros factores presentes para provocar a doença.

É importante que as famílias com Doença Auto-imune refiram este facto ao médico quando outro membro da família tem um problema de saúde de difícil esclarecimento.

 

A QUEM DEVE RECORRER?

Dado que a autoimunidade afecta vários órgãos, há várias especialidades médicas que tratam doenças auto-imunes, sobretudo quando há complicações.

Deve haver uma estreita ligação entre o médico de Medicina Geral e Familiar e os especialistas, sendo frequente haver necessidade de intervenção de outras especialidades, assim como a de outros técnicos como enfermeiros, psicólogos, fisioterapeutas, assistentes sociais e outros.

Os especialistas com mais experiência neste tipo de doenças são os internistas e os reumatologistas.

Os especialistas de Medicina Interna são os médicos do adulto que abordam e tratam os doentes como um todo, recorrendo aos especialistas de determinados órgãos, para a execução de técnicas ou para apoio no tratamento de doenças mais raras desses órgãos ou sistemas. Essa capacidade torna-os particularmente vocacionados para este tipo de patologias, sobretudo quando têm um carácter sistémico, ou seja, podem atingir vários órgãos sucessivamente ou ao mesmo tempo.

Na quase totalidade dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde no continente e ilhas os internistas criaram consultas especializadas para atenderem este tipo de doentes, chamadas Consultas de Doenças Auto-Imunes ou de Imunologia Clínica. A lista destas consultas nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde é apresentada em anexo, ou consulte www.nedai.org.

 

O QUE É O NEDAI?

O NEDAI é o Núcleo de Estudos das Doenças Auto-Imunes da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI), a única organização em Portugal que congrega mais de 200 médicos internistas dedicados ao tratamento de doenças auto-imunes.

Os principais objectivos do NEDAI são afirmar cada vez mais a responsabilidade e importância dos internistas no estudo e abordagem destes doentes e elevar permanentemente os padrões da qualidade assistencial neste sector da nossa actividade.

Nesse sentido o NEDAI promove reuniões científicas nacionais e internacionais, atribui anualmente uma Bolsa de Estudos em AutoImunidade, que tem como objectivo promover o conhecimento e a formação na área da Auto-Imunidade em serviços estrangeiros de prestígio.

Atribui, desde 2005, o Prémio NEDAI de Investigação em AutoImunidade, que tem como finalidade premiar trabalhos de investigação no âmbito das Doenças Auto-imunes. Além disso, edita folhetos para os doentes, assegura o seu sítio: NEDAI.org, amplamente visitado por profissionais e doentes, desenvolveu o Registo Informático de Doenças Auto-imunes (RIDAI), com o objectivo de informatizar progressivamente as consultas de Doenças Auto-imunes (DAI) e está a implementar o Registo Nacional das Doenças Auto-imunes da responsabilidade da Medicina Interna (RENDAI-MI).

 

O QUE POSSO FAZER?

As doenças auto-imunes não são contagiosas. São doenças crónicas, podem causar lesões graves de órgão e ameaçar a vida.

Os doentes, sobretudo as mulheres, com uma doença auto-imune têm sofrido falta de atenção e de investigação. Sabemos que as doenças auto-imunes, têm uma base genética e podem ter tendência familiar, uma doente com Lúpus, pode ter uma filha com diabetes tipo 1 e a mãe ter Artrite Reumatóide, por exemplo.

É preciso que as doenças auto-imunes sejam reconhecidas como um “tipo” de doença. Se o público em geral e os médicos de família estiverem mais informados, estas doenças serão diagnosticadas mais precocemente e melhor tratadas. As mulheres jovens, em especial, não são muitas vezes levadas a sério quando têm sintomas vagos e muitas vezes consultam médicos de várias especialidades.

Há necessidade de maior colaboração entre os doentes, a sociedade, os investigadores e os clínicos. A investigação pode ajudar-nos a tratar a causa das doenças auto-imunes em vez de tratar os seus sintomas ou complicações.

As consultas de doenças auto-imunes são feitas por médicos com experiência no diagnóstico e tratamento destas patologias e alguns são investigadores nesta área.

Caso o seu médico assistente lhe proponha participar nalgum estudo que esteja a decorrer, colabore! Estará a ajudar-se a si próprio e a outros.

Divulgue a consulta de doenças auto-imunes onde é seguido e ajude distribuindo informação disponível, nomeadamente folhetos. O nosso interesse é o doente, colabore connosco.

Alguém que você conhece tem uma doença auto-imune!

 

LISTAGEM DE DOENÇAS AUTO-IMUNES

  1. Alopecia Areata
  2. Anemia Aplástica
  3. Anemia Hemolítica Auto-imune
  4. Anemia Hemolítica Imune Induzida por Fármacos
  5. Angeíte Leucocitoclástica Cutânea
  6. Arterite de Células Gigantes
  7. Arterite de Takayasu
  8. Artrite Enteropática
  9. Artrite Idiopática Juvenil
  10. Artrite Psoriática
  11. Artrite Reactiva
  12. Artrite Reumatóide
  13. Ataxia Cerebelosa associada a Anticorpos Anti-Descarboxilase do Ácido Glutâmico
  14. Bronquiolite Obliterante Idiopática
  15. Cardiomiopatia Dilatada
  16. Cirrose Biliar Primária
  17. Colangite Esclerosante Primária
  18. Colite Ulcerativa
  19. Deficiência Adquirida do Factor X
  20. Degeneração Cerebelosa Paraneoplásica
  21. Dermatite Herpetiforme
  22. Dermatomiosite
  23. Diabetes Tipo I
  24. Doença Celíaca
  25. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Protrombina
  26. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor IX
  27. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor V
  28. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor VII
  29. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor VIII
  30. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor XI
  31. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor XII
  32. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Factor XIII
  33. Doença da Coagulação por Autoanticorpos anti-Fibrinogénio
  34. Doença de Addison Auto-imune
  35. Doença de Behçet
  36. Doença de Crohn
  37. Doença de Goodpasture
  38. Doença de Graves
  39. Doença de Kawasaki
  40. Doença de Lyme
  41. Doença do Ouvido Interno Imuno mediada
  42. Doença Linear a IgA
  43. Doença Mista do Tecido Conjuntivo
  44. Doença Ovárica Auto-imune
  45. Doenças Indiferenciadas do Tecido Conjuntivo
  46. Encefalite de Rasmussen
  47. Encefalite Límbica
  48. Encefalite Límbica Imuno-respondedora associada a Anticorpos anti-Canais de Potássio
  49. Encefalomielite Paraneoplásica
  50. Epidermólise Bolhosa Adquirida
  51. Esclerodermia
  52. Esclerose Múltipla
  53. Esclerose Sistémica
  54. Espondilite Anquilosante
  55. Febre Reumática
  56. Fibrose Pulmonar Idiopática
  57. Gastrite Auto-imune
  58. Glomerulonefrite Associada a ANCA
  59. Granulomatose de Wegener
  60. Hepatite Auto-imune Tipo 1
  61. Hepatite Auto-imune Tipo 2
  62. Hipofisite Auto-imune
  63. Líquen Plano Penfigóide
  64. Lupus Eritematoso Sistémico
  65. Miastenia Gravis
  66. Miocardite
  67. Neuromiotonia Adquirida
  68. Neuropatia Axonal Motora Aguda
  69. Neuropatia Axonal Sensitivo-Motora Aguda
  70. Neuropatia com Bloqueio da Condução Motora Aguda
  71. Neuropatia Sensitivo-Motora Adquirida Multifocal
  72. Neuropatia Sensitivo-Motora Desmielinizante Adquirida Multifocal
  73. Neuropatia Motora Multifocal com Bloqueio da Condução
  74. Neuropatia Panautonómica Aguda
  75. Neuropatia Periférica Desmielinizante Paraproteinémica
  76. Neuropatia Sensitiva Paraneoplásica
  77. Neuropatia Sensitiva Pura Aguda
  78. Neutropénia Auto-imune da Infância
  79. Neutropénia Auto-imune Primária do Adulto e Adolescente
  80. Neutropénias Auto-imune Secundária
  81. Orquite Auto-imune
  82. Pancreatite Auto-imune
  83. Pênfigo a IgA
  84. Pênfigo Cicatricial
  85. Pênfigo Foliáceo
  86. Pênfigo Gestacional
  87. Pênfigo Induzido por Fármacos
  88. Pênfigo Paraneoplásico
  89. Pênfigo Vulgar
  90. Pênfigóide Bolhoso
  91. Poliangeíte Microscópica
  92. Poliarterite Nodosa
  93. Polimiosite
  94. Poliradiculoneuropatia Desmielinizante Inflamatória Crónica
  95. Poliradiculopatia Desmielinizante Inflamatória Aguda
  96. Psoríase
  97. Púrpura de Henoch-Schönlein
  98. Púrpura Trombocitopénica Auto-imune
  99. Sindrome de Churg-Strauss
  100. Sindrome de Guillain-Barré
  101. Sindrome de Miller Fisher
  102. Sindrome de Morvan associado a Anticorpos anti-Canais de Potássio
  103. Síndrome de Sjögren
  104. Sindrome de Stiff-Person associada a Anticorpos antiDescarboxilase do Ácido Glutâmico
  105. Sindrome de Von Willebrand Adquirida
  106. Sindrome deCogan
  107. Síndrome do Anticorpo Antifosfolípido ou Sindrome de Hughes
  108. Sindrome Miasténico de Lambert-Eaton
  109. Sindrome Opsoclónico-mioclónico
  110. Sindrome Paraneoplásico de Stiff-Person
  111. Síndrome Poliglandular Auto-imune
  112. Síndrome SAPHO
  113. Tiroidite Auto-imune
  114. Urticária Crónica
  115. Uveíte Auto-imune
  116. Vasculite Crioglobulinémica Essencial
  117. Vasculite de Pequenos Vasos Pauci-imune
  118. Vítiligo
Ver documento
2016-10-16T12:02:10+00:00 2016-7-6|Categories: Informação ao Doente|Tags: , , |